30 • Jardim das Buttes-Chaumont, 001 • Paris (75019) (Fr.) • Arquit. : Jean-Charles Alphand com Jean-Pierre Barilllet-Deschamps, jardin., (desde 1867) • (Foto 2009)

Nascimento do jardim público

Na Europa dos anos 1850, as cidades atraem forte migração rural à procura de trabalho mais bem remunerado. As novas populações, numerosas, vão amontoar-se em bairros insalubres onde as doenças e as epidemias propagam-se de tempos em tempos. Seguindo o exemplo da corte da Inglaterra que optou pelo saneamento de Londres, Napoleão III pede a Haussmann, governador de Paris, para arejar a cidade. Convocado para dirigir o gigantesco canteiro de obras, Alphand, engenheiro civil, aproveita para alargar as ruas, criar “Os Grandes Bulevares” e os principais eixos do tráfego parisiense. A fim de favorecer as práticas esportivas (e afastar os operários dos botequins), criou um jardim público por distrito e vários grandes parques (Monceau, Montsouris, jardins dos Campos Elíseos). O jardim das Buttes-Chaumont, construído numa antiga pedreira ao norte de Paris, foi o segundo parque público aberto na França, depois do Tête d’Or em Lyon. Praticamente inalterado desde sua criação, esta meca da Paris popular oferece um dos mais surpreendentes mirantes da capital. Particularmente apreciado pelos surrealistas que gostavam de passear lá à noite (na época, ficava aberto dia e noite, e era cortado por uma via férrea), foi celebrado por Louis Aragon em seu livro "O Camponês de Paris" (1926).