08 • Jardim Botânico, 001, 002 • Rio de Janeiro (Br.) • Muitos botânicos, agrônomos, paisagistas marcaram sua evolução • Criado por volta de 1820 • (Fotos 2012)

O viajante europeu sente alguma dificuldade em imaginar um jardim botânico dos trópicos, onde tudo cresce, de onde tudo (ou quase) é oriundo. No jardim do Rio de Janeiro, entretanto, desmedido como qualquer área vegetal desse país fora dos padrões, classificar, ordenar, repertoriar, proteger, valorizar plantas e árvores de origens tão diversas, impõe-se aqui como nos outros, nas terras longínquas que acolheram as “exóticas” trazidas de expedições tão ousadas quanto empíricas.
Ao inverso do paisagista europeu que luta para que seu jardim cresça, sente-se aqui a necessidade de podar, restringir, conter, reter... a fim de evitar excessos sufocantes e destruidores. No sopé dos morros que cercam o Rio de Janeiro, o vegetal domado procura alturas inesperadas, apagando propositalmente as fronteiras entre os espaços selvagens e ajardinados. Desse duelo de Titãs entre natureza e cultura, tiramos proveito e deleite, na nossa escala com deslumbramento dos sentidos.