52 • Jardins Albert Kahn, 002 • Boulogne-Billancourt (92100) (Fr.) • Novo jardim japonês desenhado por Fumiaki Takano (1990) • (Foto 2009)

Um banqueiro contra seu século

Quando o mundo ia entrar naquele que permanece hoje o século mais violento da sua história, um banqueiro humanista, filantropo e mecenas esclarecido ia tentar abrir os olhos dos seus contemporâneos. Ao criar seus jardins na alvorada do século, ia reunir, com ousadia, numa pequena parcela de quatro hectares do
subúrbio parisiense próximo, um jardim de cenas, composto por um jardim francês, um inglês, e um japonês, cercados por três florestas : azul, dourada e dos Vosges. Esse espaço notável será a primeira manifestação do seu profundo desejo de aproximar as culturas. Entre 1909 e 1931, após ter financiado, num primeiro tempo, bolsas de viagem de descobertas para futuros professores, passou a enviar operadores fotográficos e cinematográficos para tirarem imagens na China, no Japão, na Mongólia, na Índia, no Paquistão, ou na Bretanha. Esses excepcionais “Arquivos do século 20” podem ser consultados no museu próximo a esses jardins do conhecimento.