69 palavras 26 A beleza das mulheres

A beleza das mulheres

Neste conjunto reabilitado das Tulherias, uma coleção de esculturas oriunda das coleções do Estado foi distribuída “à antiga”, em pedestais imponentes, no intuito de lhes conferir uma suposta majestade “natural”. Cercado de corpos alegóricos de guerreiros, de Césares pensantes e de uma Diana caçadora, esse dorso nu de mulher marca uma época em que o nu só existia no feminino. Não há homens nus neste jardim, nem mesmo de sexo atrofiado como na estatuária grega ou romana antiga. Este nu afirmado, lascivo, expõe-se com a ostentação última da diferença entre os sexos. No mármore, está escrito, portanto, que a beleza é feminina e que o pensamento e a força são masculinos. Estranho anacronismo que contradiz o pensamento contemporâneo de um jardim, onde deveria ter sido deixada a oportunidade de pensar a arte na cidade, de um traço em sincronia com o da intenção paisagista. O que em nada diminui a beleza das mulheres.